domingo, 20 de fevereiro de 2011

CHICO BUARQUE, SOBRE A SOLIDÃO ...

PRAIA DA QUEBRADA
(ao norte da cidade do Porto)



Solidão não é a falta de gente para conversar, namorar, passear ou fazer sexo ... Isto é carência.

Solidão não é o sentimento que experimentamos pela ausência de entes queridos que não podem mais voltar ... 
Isto é saudade.

Solidão não é o retiro voluntário que a gente se impõe, às vezes, para realinhar os pensamentos ... Isto é equilíbrio.

Solidão não é o claustro involuntário que o destino nos impõe compulsoriamente para que revejamos a nossa vida ... 
Isto é um princípio da natureza.

Solidão não é o vazio de gente ao nosso lado ... Isto é circunstância.

Solidão é muito mais do que isto...

Solidão é quando nos perdemos de nós mesmos e procuramos em vão pela nossa alma ...

FRANCISCO BUARQUE DE HOLANDA



Este texto tocou-me de uma forma indizível.
Até chorei, quando o li, muda de palavras, sufocada por emoções.
Compartilhei-o particularmente com amigos muito próximos, mas também com a long'inqua e desconhecida Andrea que nunca vi, nunca ouvi, nunca encontrei, mas a quem quero bem, muito bem.
Por motivos que desconheço e me ultrapassam, Andrea nunca recebeu o meu mail.
Por isso, aqui fica para todos os que me visitarem ( mas especialmente para si, Andrea) este excerto capaz de tocar bem lá no fundo da nossa alma.

Beijos, Nina






3 comentários:

  1. Nina, estou muito tocada por esse poema e também por sua sensibilidade à flor da pele, que maravilha isso, impressionante seus comentários, poéticos, inteligentes e muito belos. Um grande abraço e um bom início de semana para você!

    ResponderEliminar
  2. Simplesmente lindo.
    Me tocou no fundo da alma.
    É assim que estou,sozinha,me perdi de mim.
    Obrigada querida,vou reler mais algumas vezes pra ver me acho.
    Beijos.

    ResponderEliminar
  3. Adorei o blog, vim fazer uma visitinha e virei seguidora. Espero em breve vc no meu Mundo!
    Enorme bjo e sucesso!

    ResponderEliminar