terça-feira, 27 de Novembro de 2012

Desafio


Não compre nada até 2013, foi o desafio que recebi aqui .

Mais do que um desafio, é um grito, um protesto contra o consumismo desenfreado que, por esta altura, grassa feroz e descontrolado.
De fora deste propósito ficam as compras para a alimentação e todas as outras que se revelem imprescindíveis e inadiáveis, naturalmente.
Acho que percebi o apelo.
Acho que o que se pretende é consciencializar cada um de nós para lutar contra a voragem das compras, das compras inúteis.
Pretende-se, simbolicamente, mudar os hábitos exageradamente consumistas que acompanham o Natal.
Pretende-se que se valorize a companhia dos que nos são queridos sem recorrer à prenda por obrigação.
Pretende-se que nos juntemos, realizemos em conjunto refeições deliciosas, empreguemos o tempo livre em passeios pela natureza, fugindo a sete pés dos Shoppings.
Percebo a ideia. E aplaudo.
No Natal do ano passado, cá em casa, só as crianças tiveram direito a prendas. Pareceu-me muito bem. Este ano, parece-me ainda melhor.
Dada a situação difícil em que vivemos, em que o mundo  inteiro vive, desaprovo compras inúteis, coisas e mais coisas, tralha e mais tralha. A economia não resiste a essa sangria. Nem o planeta que se transforma a passos largos num monumental lixão.

Tenho lido, com enorme prazer o blog  da Rosa , senhora de uma graça, de uma sensatez admiráveis.
Rosa defende a sustentabilidade com bom humor, ideias geniais e a sabedoria de um economista com doutoramento.
Rosa é dona de casa e mãe de família. Apenas!
Mas extraordinária, por isso mesmo.
Adoro a Rosa!

Com a Helena, noutro estilo, mas com igual sabedoria, aprendi qual a força dos sonhos e como a perseverança pode modificar as nossas vidas.
No campo das realizações pessoais e profissionais.
Gosto da Helena como se gosta de uma amiga íntima, cujo sucesso nos engrandece como se nosso fosse.
Helena é, também ela, defensora do , DIY, gastos racionais, de uma vida vivida em pleno, liberta da escravatura do :
-COMPRA, COMPRA, COMPRA!

Os exemplos que referi, são exemplos de blogs admiráveis, que compartilham experiências e, mais importante, formatam consciências.

Sou aluna mediana. Estou longe de servir como exemplo. Mas sou empenhada. Sei que preciso melhorar.
E quero melhorar.

Beijo
Nina

25 comentários:

  1. A prenda por obrigação. Acho que acontece demais nesta época.
    Por outro lado tenho visto sugestões bem criativas como a família toda se reunir a confeccionar flores em papel e levá-las a asilos, doação de mensagens. Tantas ideias que certamente o planeta estará aliviado se consumirmos menos.
    Vou lá espiar tuas indicações. Beijo

    ResponderEliminar
  2. Poxa, eu concordo com tudo que disse, minha amiga. Mas confesso que eu amo umas comprinhas sem razão rs... Mas depois que casamos, como temos que comprar muitos moveis ainda, acabamos que nao estamos mais fazendo isso, faz uns 4 meses que nao compro quase nada. Comprei 1 batom só. Rs... Mas são as necessidades rs... Eu estou me esforçando para controlar esse vicio que realmente nao faz bem pro mundo nem pro sistema nem pro meu bolso rs... Beijos

    ResponderEliminar
  3. O que mais detesto no Natal é o consumismo. Ninguém me apanha em shoppings , nesta época.

    O ano passado já só dei prendas aos meus pais, neto, filha e sobrinhos que não trabalham. Dou sempre algo útil.

    Este ano vai ser igual...para o ano logo se verá.

    Tenho saudades dos natais de outrora...sem consumismo desenfreado!

    Beijos.

    ResponderEliminar
  4. O que mais detesto no Natal é o consumismo. Ninguém me apanha em shoppings , nesta época.

    O ano passado já só dei prendas aos meus pais, neto, filha e sobrinhos que não trabalham. Dou sempre algo útil.

    Este ano vai ser igual...para o ano logo se verá.

    Tenho saudades dos natais de outrora...sem consumismo desenfreado!

    Beijos.

    ResponderEliminar
  5. Minha amiga, sabes o quanto fico lisonjeada por ser chamada "amiga", pois é assim que a considero. Ver meu blog sendo citado em seu blog que gira o mundo (gira aqui é girar, do verbo). Aprendo todos os dias lendo seus textos lindos que faz o meu pensamento viajar por tantos mundos que ainda não conheço.
    Obrigada pelo carinho.
    Beijos,

    ResponderEliminar
  6. Nunca fui muito de compras , nem pelo Natal nem por outra época qualquer. Mete-me confusão as trocas , as pessoas darem mais valor a quem dá a prenda mais cara. Não é, de todo a minha maneira de ver. Este ano decidi dar compotas, azeites aromatizados e licores. Tudo feito por mim. Para além de sair mais barato , ando empenhada naquilo que faço e dá-me um enorme prazer dar estes miminhos , feitos que tanta dedicação.
    Bjkas

    ResponderEliminar
  7. Oi Nina!
    Minha família é muito pequena, muito mesmo :)
    Trocamos presentes mas nada de exagero.
    A família do meu marido e 'agregados' rs que são praticamente família é enorme.
    E desde que os conheço, as crianças ganham presentes e os adultos fazem um amigo oculto e levam mantimentos para doação, que acho bem legal!
    Teve um ano que fiz todos os presentes.
    Me irrita shopping lotado no final do ano, já escutei gente reclamando que tinha que comprar presente!
    Pode isso?
    Além de se tornar uma obrigação, cadê o verdadeiro espírito natalino???
    Também não sou exemplo, mas já mudei muito!!!
    bjs

    ResponderEliminar
  8. De acuerdo contigo. Navidad NO es comprar y comprar, es celebrar el nacimiento de Jesús. Que no se nos olvide.

    ResponderEliminar
  9. Oi Nina... fiquei 6 meses sem comprar nada pra mim, não deu para fazer com tudo pois tenho muitas festas e os presentes sou eu que os compro e também tenho 3 crianças em fase de crescimento e é impossível ficar sem comprar nada pra elas... dei um tempinho agora nesta época que fomos viajar, mas começando o ano de 2013 eu volto a fazer novamente o meu desfio... aqui em casa eu aproveito tudo e estou tentando ser o mais econômica possível, também sou daquelas que gostam do faça você mesma, rsrsrs Beijinhosss!!!

    ResponderEliminar
  10. O certo é maneirar nas compras mesmo.
    A gnte exagera né?
    boa dica!
    bjo
    opinandoemtudo.blogspot.com

    ResponderEliminar
  11. Olá Nina,

    minha linda, muitíssimo obrigada pelo solidário e carinhoso comentário no Fuso.
    Esta época do ano me enerva porque tudo fica estagnado e só volta a relidade depois do carnaval, detestável...
    Há tempos, aqui em casa, presenteamos as crianças em datas próprias, de resto, somente nos aniversários é que os "maiores" recebem presentinhos.
    Concordo então com você, há uma correria das pessoas aos shoppings e aos bairros altamente comerciais, dando a impressão de que as lojas estão oferecendo graciosamente seus produtos! Só sei disto porque vejo no telejornal, é uma situação ridícula. Só as pessoas inteligentes como nós podem fazer valer o conselho anticonsumista do blogue que você sugere.
    Tenha uma ótima noite de descanso e sem insônia, faz favor (plágio...)!

    Beijão,
    Lu

    ResponderEliminar
  12. Fugir aos centros comerciais durante a época natalícia. Isso é algo que faço muito, mas mesmo muito bem. E desde sempre, não é só de agora :)
    Mas estas iniciativas são sempre muito interessantes, e se o resultado for positivo, ainda melhor.

    ResponderEliminar
  13. Gostei da iniciativa! Este anos vamos comprar só para os miúdos!

    ResponderEliminar
  14. Amiga mia
    estoy de acuerdo con usted. Yo antes compraba mucho ..cada vez que había una oferta yo corria.en cambio ahora compro poco..aun no compro nada para navidad!!
    cariños

    ResponderEliminar
  15. Olá, Nina! Quanta honra mencionar eu e meu blog aqui - muita generosidade da sua parte. Apoio 100% essa iniciativa de "descomercializar" o Natal - afinal, o Aniversariante foi quem expulsou os vendilhões do templo, não foi? Acho que Ele não deve gostar muito de Seu dia ser desculpa prá consumismo desenfreado... Já perdi a conta de há quanto tempo TODOS os presentes são feitos por mim... Fico maluca, mas faço tudo não somente por questões de economia: cada prenda minha é feita com carinho, então, quem recebe, sabe que eu estava pensando nela quando fiz. Justamente como deviam ser os presentes de antigamente, quando não haviam shoppings nem apelos de consumo por parte da mídia... Dá prá ser feliz e fazer os outros felizes sem ter uma poupuda conta bancária - com boa vontade e imaginação. Beijos e obrigada novamente pela delicadeza.

    ResponderEliminar
  16. Olá, Nina! Quanta honra mencionar eu e meu blog aqui - muita generosidade da sua parte. Apoio 100% essa iniciativa de "descomercializar" o Natal - afinal, o Aniversariante foi quem expulsou os vendilhões do templo, não foi? Acho que Ele não deve gostar muito de Seu dia ser desculpa prá consumismo desenfreado... Já perdi a conta de há quanto tempo TODOS os presentes são feitos por mim... Fico maluca, mas faço tudo não somente por questões de economia: cada prenda minha é feita com carinho, então, quem recebe, sabe que eu estava pensando nela quando fiz. Justamente como deviam ser os presentes de antigamente, quando não haviam shoppings nem apelos de consumo por parte da mídia... Dá prá ser feliz e fazer os outros felizes sem ter uma poupuda conta bancária - com boa vontade e imaginação. Beijos e obrigada novamente pela delicadeza.

    ResponderEliminar
  17. Acho muito bem. Além disso em 2013 vem os saldos e conseguimos boas oportunidades.
    Beijinhos grandes.

    ResponderEliminar
  18. Que post maravilhoso, além de nos fazer repensar valores, ergues uma bandeira da qual compartilho contigo e nos faz conhecer pessoas admiráveis.
    Obrigada.
    Beijo grande.

    ResponderEliminar
  19. Nunca tive a "febre" das compras...só compro quando preciso...
    Bjkas
    Anna

    ResponderEliminar
  20. Nina, nunca gostei do exagero (destes últimos anos) das compras de Natal. Tanto no que diz respeito a comida como a ofertas. Gente a comprar comida como se não houvesse amanhã e outros a gastar nas lojas o que podem e o que não podem.
    Sou do tempo em que se oferecia um bolo, umas broas, um licor/vinho caseiro, uma cesta de fruta, enfim coisas simbólicas. Isto para os amigos. Para as crianças aqueles que podiam compravam, um brinquedo e roupa. Nada exagerado.
    E por pensar assim não penso fazer exageros. Se vou fazer compras? Vou! Porque gosto de mimar os meus. Mas nada de perder a cabeça e de ficar com dores de cabeça a pensar no dinheiro gasto. Oferecer tem de ser um prazer, nunca uma obrigação.
    Mas respeito aqueles que decidem não oferecer nada. Para famílias grandes (não é o meu caso) acho gira a ideia do "amigo secreto".
    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  21. Nina, nunca gostei do exagero (destes últimos anos) das compras de Natal. Tanto no que diz respeito a comida como a ofertas. Gente a comprar comida como se não houvesse amanhã e outros a gastar nas lojas o que podem e o que não podem.
    Sou do tempo em que se oferecia um bolo, umas broas, um licor/vinho caseiro, uma cesta de fruta, enfim coisas simbólicas. Isto para os amigos. Para as crianças aqueles que podiam compravam, um brinquedo e roupa. Nada exagerado.
    E por pensar assim não penso fazer exageros. Se vou fazer compras? Vou! Porque gosto de mimar os meus. Mas nada de perder a cabeça e de ficar com dores de cabeça a pensar no dinheiro gasto. Oferecer tem de ser um prazer, nunca uma obrigação.
    Mas respeito aqueles que decidem não oferecer nada. Para famílias grandes (não é o meu caso) acho gira a ideia do "amigo secreto".
    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  22. Hola Nina:

    Ayer vi las noticias y todo lo que está pasando en Portugal, que pena, porque todos los países de una u otra forma estamos protestando por estos días, por diferentes razones.

    Pues no comprar nada hasta el 2013, es una buena forma de cuidarnos a nosotros mismos y nuestras finanzas.

    Un abrazo,

    Ale
    Costa Rica

    ResponderEliminar
  23. Ando "enfastiada" de Shopping mas sei que isso nao dura muito, Nina.
    E gosto muito de presentear com coisas que faco. Tenho um prazer imenso, nisso.

    ResponderEliminar