domingo, 17 de julho de 2016

A Casa


No meu imaginário, entre muitos sonhos, guardo um especial - o de ter uma casa rodeada por vasto jardim.
Em criança vivi, cresci, numa casa, Casa, com quintal nas traseiras e jardim à frente. Não a valorizava particularmente, talvez porque, só depois de perdermos o que quer que seja lhe damos o real valor.
Foi, portanto, sem drama e até com entusiasmo que passei a viver num andar - quando casei.
Adaptei-me sem qualquer problema, valorizando a praticidade e a segurança. 
Porém, a dada altura, passada que foi a novidade, dei por mim com ataques nostálgicos - queria um quintal, um pedacinho de terra, uma horta, um jardim. Na sua falta, multipliquei floreiras e vasos, cultivei árvores nas varandas e hortas no terraço e, perante a impossibilidade prática de voltar a viver numa casa, Casa, acomodei-me. Acomodei-me, feliz, diga-se! Sinto-me muito bem na minha pele de habitante urbana, muito bem adaptada ao meu espaço, de tal modo que, em tom de brincadeira, repito incessantemente que, " quando voltar a nascer" que seja no campo.

Os acessos de nostalgia coincidem frequentemente com filmes cuja ação se desenrola no British Country, que, como todos sabemos é o mais belo entre todos os belos. Tão lindo que sempre me faz soltar suspiros, assegurando-me que, definitivamente, sou ser desenraízado, arrumado em prédio citadino que, por muito bom, por muito confortável, por muito prático e seguro, não é A Casa!

Passeando pela net, encontrei AQUI ,    A CASA!



image
É esta!
Esta, a que preenche o meu imaginário.
Grande, com muitas janelas, clássica, rodeada por jardins!

Já sei "que dá muito trabalho"!
Já sei da insegurança!
Já sei que exige pessoal!

Sei isso tudo, mas continuo a achar que esta é A CASA!

Acredito que as minhas escolhas em termos decorativos passem muito pela influência que o meu ideal de casa exerce. Por isso me defino sem rótulo quando determino opções na organização do meu espaço.
Não sou minimalista, não sou exclusivamente clássica (catando antiguidades), não persigo peças de design - apenas porque gosto de (quase) tudo, gosto de pôr a conversar entre si as diversas tendências.
Do que não abdico - no meu imaginário - é de uma casa antiga, com muitas janelas, rodeada por extenso jardim - vejo-me perdida na jardinagem, vejo-me tratando as belas dálias, vejo-me colhendo legumes na horta, vejo-me lendo e escrevendo à sombra de uma árvore ... Vejo-me!

Beijo
Nina

24 comentários:

  1. Eu lhe entendo minha querida! Também fui criada assim e papai tinha criação de vacas, carneiros, galinhas. ..plantações de cacau, café. ..uma casa na caatinga (terra vermelha, com umbu, licori,gado ..) uma casa na mata aonde tinha plantação de café, cacau. ..por isto apesar de morrer de saudades ds Portugal, adaptei tão bem à Bélgica. Bom serão por aí, beijinhos

    ResponderEliminar
  2. Que seria da nossa vida se não sonhássemos e tentássemos concretizá-los!
    Sonhar é viver!
    A casa é uma mansão de sonho!

    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  3. Realmente a Casa é algo de fantástico!

    ResponderEliminar
  4. Apesar do que diz o contrário, acredite no que sente e vá em busca DA CASA! Ela pode ser sua, Nina!

    http://juliamodelodemodelo.blogspot.com.br/

    ResponderEliminar
  5. Querida Nina: identifico-me contigo. Adoro as casas com um bonito jardim, iguais àquelas, lindíssimas, que se vêm nas séries britânicas.Imagino os piqueniques lânguidos, em família, que se poderiam fazer nos verdes relvados muito bem tratados.Só que não tenho o mínimo jeito, ou pachorra,para tratar das flores. A minha mãe é a jardineira cá de casa. Quando chega, censura-me muitas vezes: estas plantas precisam de água. Gosto de ver o meu pequeno quintal cheio de flores, claro, mas o meu devaneio acaba aqui.Quem sabe um dia não tens a tua Casa idealizada? No entanto, adoro o que fazes para tornar a tua num verdadeiro lar.
    Bjn
    Márcia

    ResponderEliminar
  6. Querida Nina...
    Quase que podiam ser minhas essas palavras... e A Casa? Se fosse térrea, seria a minha casa...
    :)

    Beijinhos e Boa semana!

    ResponderEliminar
  7. Realmente que belo jardim que essa casa tem! É daquelas casas que se olha e nos imaginamos logo sendo lá felizes. :) Beijinhos
    --
    O diário da Inês | Facebook | Instagram

    ResponderEliminar
  8. Revejo-me em algumas das suas palavras. Quando casei fui morar para apartamento e ai de quem me falasse em casa com quintal e/ou jardim. Anos passados e também sonho em ter uma casa com um pequeno quintal. Sinto o mesmo quando vejo filmes ou séries que se passem no campo inglês. Há sempre algo de mágico naquelas vilazinhas com casas rodeadas de flores e legumes. Gostava de ter uma com espaço, com terra, com algumas flores e nem que fossem apenas com alfaces... acho que mais nada se iria safar...

    ResponderEliminar
  9. Nina, em menina vivia numa casa. Depois de sair de casa em apartamentos. E não voltava a viver numa casa. Poderia trocar de apartamento por um maior com mais varandas ou terraços, mas não por uma casa. Num apartamento sinto-me mais segura. Por outro lado viver isolada no meio da nada não me agrada e mete-me medo. Gosto de sair de casa e saber que tenho tudo ao pé.
    Consigo compreender o teu desejo/ sonho mas não para mim.
    Uma boa semana para ti e beijinhos.

    ResponderEliminar
  10. Sim, eu também vivi em casa rodeada de quintal e de jardim.
    Mas, não sinto saudades.
    Adoro morar em apto.

    ResponderEliminar
  11. Que bom sonhar! Faz bem sonhar! Eu também gosto de sonhar. Nasci numa casa que agora está só com a frontaria!... A casa onde cresci está velha, mas é muito boa e, como agora é minha, estou a investir nela. Tem um pequeno quintal, mas também tenho na costa norte uma pequena quinta com casa rústica e flores... e frutas... muito pequena e singela! Não é inglesa, mas sei que poderei ir lá quando me apetecer, ainda mais agora que parte da família foi viver para lá... e o meu coração tem de fazer escolhas difíceis! Estamos em Quiaios, fugidos do calor intenso de Coimbra. Aqui está fresco, há uma densa neblina mesmo por cima da praia, mas já mergulhei e nadei nas frias águas com bandeiras verde e azul e apanhei um solinho para fortificar o esqueleto! Beijnhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Teresinha, acho maravilhosa essa possibilidade de casa e quinta nos Açores. Aproveita, amiga.
      Beijinhos

      Eliminar
  12. Sim, eu sei. E com um cesto enorme colhendo alfazema pelos campos floridos? E vestida num lindo avental com laçarotes? E depois vai para o fogão com flores enfeitando o cabelo? Sei. Já assisti a esse filme.
    Oh, Nina, sempre tive essa ilusão romântica de morar no campo. Morei por 5 anos. Ganhei sardas, manchas no rosto, calos nas mãos. Vivia, praticamente, morando no jardim e na horta. Às vezes acordava no meio da noite, preocupada,porque esquecia de molhar o jardim. Demandava gente para cuidar do quintal, da horta, do jardim, das formigas, da piscina, do fogão à lenha... Ai, o sonho passou. Fui morar na cidade, na cobertura onde procuro ter, como você, algumas plantas em vasos. Mas sempre me vejo nostálgica pensando no meu jardim florido. Sempre com a ilusão de que um dia voltarei a plantar flores. Quem sabe um dia? Muito lindo seu texto. Viajei pelos campos floridos... Beijos

    ResponderEliminar
  13. Nunca he tenido jardín en mi casa. De niña vivía en una casa, pero muy chica y sin espacio. Y de ahí pasé a un departamento con menos espacio todavía.
    Ojalá, algún día...

    ResponderEliminar
  14. Lindo espaço... traduz uma escritora de alma...
    Convido a seguir meu blog: http://guerreirafeliz.blogspot.com.br/
    Abraços!!!!

    ResponderEliminar
  15. Nina...essa é por certo a casa de sonho de muitas de nós que gostamos da vida do lar!
    Até aos 18 anos...vivi em Angola numa casa com um quintal fabuloso!
    Depois seguem-se quase 40 anos...num belo apartamento!
    Agora uma casa rodeada de quintal e jardim...que exigem muito trabalho e muita dedicação!
    Já nem sei o que me deixa mais feliz!!!
    Ando ao sabor do tempo e de DEUS!!!
    Bj

    ResponderEliminar
  16. Engraçado como somos todos diferentes. Também nasci e cresci numa casa, rodeada de campo e de animais, numa aldeia. No entanto, tinha em mente, que na vida adulta viveria bem num apartamento. Assim foi, assim é. Vivo em pleno num apartamento que não trocava por nenhuma casa. Claro que preferia que tivesse uma sala bem maior e nesta altura uns acabamentos mais modernos. Mas onde é que eu encontro um apart. com estas vistas e com a qualidade de vida que este me oferece? Estou a 3 min. do centro da cidade, tenho o campo e a cidade encostadinhos, tenho o emprego, os serviços de saúde e os supermercados aqui à mão, tenho sol o dia todo, tenho ar "renovado" (vento demais, às vezes), porque moro num dos pontos mais altos da cidade. Tenho estacionamento para quem me visita num logradouro do prédio e não tenho comércio por baixo. Sinto-me segura, confortável e em companhia. Isto não quer dizer que possa ter de mudar algum dia, mas a acontecer não me vejo a morar numa casa.
    Reconheço que esta Casa é um encanto, associo-a a uma situação de férias, de descanso, por exemplo veio-me logo a ideia uma pousada, onde gostava (gostei, porque já lá estive) de apreciar e passear no jardim, de ler à sombra das árvores, de observar o que me rodeia, de olhar para o ambiente, as decorações, os objetos e assim permanecer por alguns dias, em puro descanso. Nunca como um sonho de ser dona de tal, sentir-me-ia completamente perdida numa mansão carregada de preocupações e afazeres. Sim, vejo-me nos dias de hoje, ou então eu teria de mudar muito e ser milionária para me habituar ao "dolce farniente" rodeada de empregados.
    Apesar deste lamiré todo, acho-te com perfil de viver numa mansão destas, principalmente pela veia artística que possuis. Imagino-te já a escrever um livro, seguido de um manual de "como tornar saudáveis as suas flores". Afinal o sonho comanda a vida... :)
    Adorei o texto, levou-me para filmes e histórias que ficam na minha memória como paisagens (admiráveis sim, mas passageiras). Perdoa o testamento, alonguei-me sem dar por isso, agora fica assim.
    Beijinho grande, boa noite, Ninita, até amanhã!

    ResponderEliminar
  17. Muitas vezes não podemos ter oque queremos...
    Sempre morei em fazenda, mas desde a morte de meu marido passei a morar em um sobrado na cidade com minhas duas filhas.E foram tantas as mudanças em minha vida que agora agradeço a Deus por ter um cantinho nosso e não precisar pagar aluguel. Quanto a sonhar, isso podemos fazer, pois quem sabe oque nos reserva o futuro?
    Beijo.

    ResponderEliminar
  18. que sonho de casa. Eu, que tal como tu, nasci e cresci numa casa com um grande quintal, de portas e janelas sempre abertas, hoje tb sinto falta desse espaço de terra. Não tenho varanda nem um pátio para colocar um vaso que seja. Por vezes, coloco um no parapeito da janela mas levo logo um ralhete (e com razão) do marido que tem receio que caia em cima de alguém.

    ResponderEliminar
  19. Olá Nina,

    até parece que fui eu que escrevi este post, hehehe.
    Revejo-me totalmente, inteirinha no que tu escreveste.

    Beijinhos
    São

    ResponderEliminar
  20. Nina querida, parece que você está falando de mim e se Deus quiser teremos a nossa "casa" quase desse jeito, rsrsrs
    Beijosss

    ResponderEliminar