quinta-feira, 29 de janeiro de 2015

Falando de moda ...


Falando de moda ...
Assunto de que, realmente, não percebo nada. E, não pretendo ser interessante com esta afirmação! Na verdade, não percebo, não domino as tendências, não me aventuro em inovações, não me informo! Só sei do que gosto! E, curiosamente, dou por mim a gostar daquilo "que não se usa".

Refiro-me, concretamente, à atual série  Miss Marple, que todas as segundas feiras, à noite, no Fox Crime, me apaixona. Adoro o ambiente retro dos anos 40 ou 50. Adoro a elegância feminina quando a moda servia verdadeiramente a mulher.
Atualmente vejo coisas tão horrendas que sou levada a crer terem sido inventadas por alguém que odeia as mulheres ... penso, por exemplo, nas calças de cintura descida... Palavras para quê?

Claro que a par dos horrores se encontram coisas lindas, só que, a oferta é excessiva, porque a máquina de fazer dinheiro que é a indústria do vestuário é insaciável e aflige-me de tal forma que dou por mim a pensar que "não quero nada!"

Vem esta conversa a propósito dos excessos!
Compra-se -pelo que vejo - compra-se muito!
E eu pergunto-me:
- Onde é que as pessoas metem o que compram?
É que, a mim, não me faltam armários, mas estão cheios!
Não posso, simplesmente desfazer-me de peças em bom estado, de ótima qualidade que, ainda por cima me agradam, apenas porque pretendo renovar o guarda roupa.


 Hoje, vesti um casaco Adolfo Domingues que comprei há muitos anos e nem me passa pela cabeça desfazer-me dele.

O tecido é cachemira, o corte perfeito e a cor, bordeaux!
Combinei~com calças cinza - de cintura alta, é claro - e uma blusa de crepe em azul inglês.
Sei que não estava um ícone da moda - nem quero estar!
O que sei é que me sentia confortável, a gosto e bem vestida.

A única novidade, compra deste inverno, são os botins de camurça , também eles bordeaux, da Geox, maravilhosamente confortáveis e, para meu gosto, muito elegantes.
 Se me apetecesse, poderia mostrar, durante vários dias, conjuntos semelhantes a este, sem nunca os repetir, porque, como disse, tenho-os de sobra.

Por isso, repito a pergunta:
- Onde metem as fashionistas, as dúzias de casacos, vestidos, saias e blusas que permanentemente adquirem?
Onde?
Para mim, um mistério!

Beijo
Nina

quarta-feira, 28 de janeiro de 2015

À noite ...

À noite, no escuro, quando a luz se acende, o meu candeeiro novo brilha ainda mais!

Não é prata!
Na Zara Home seria improvável encontrá-la!
É um metal pesado, revestido por uma resina prateada.



O abatjour é que já conheceu melhores dias!
Vai ser trocado, que no Leroy Merlin, a escolha é variada.
Fotografei para corresponder ao pedido de várias amigas que gostavam de ver o efeito no escuro.
É este!
Foi uma descoberta excelente, quando dos saldos da loja quase nada resta.
O que é preciso é estar atenta e ter sorte para assim descobrir  tesouros!
Aliás, desconfio que ainda lá volto, para trazer mais umas coisinhas irresistíveis!

Vão lá, vão, enquanto ainda vale a pena - tudo com 50% - juro que não tenho comissão nas vendas, embora não me importasse nadinha!

Beijo
Nina

terça-feira, 27 de janeiro de 2015

FRANGO MARENGO


Para não cair na monotonia do Frango Assado ou do Arroz de Frango - embora adore ambas as versões
eu,que gosto muito mais de frango do que de qualquer outra carne, procuro, inovar com receitas diferentes, que o valorizem.
Assim cheguei ao Frango Marengo, uma receita cheia de história:
- Diz-se que foi servida a  Napoleão Bonaparte, em Marengo, na Itália, após uma batalha em que o imperador derrotou os austríacos.
Para preparar a ave, o cozinheiro procurou, sem êxito , manteiga, acabando por, na falta dela, utilizar o azeite.

No fundo, estamos perante um mero estufado/ guisado, porém, os acompanhamentos acabam por fazer toda a diferença.

Neste momento, o meu frango - que é uma galinha - estufa lentamente em panela tapada. Sendo uma galinha pequena, decide cozinhá-la inteira, tendo substituído a cebola por alho francês que, no frigorífico, reclamava para ser utilizado.
É que uma alteração ou outra não faz a menor diferença e é importante não desprezar a vertente económica.

Posto isto, deixo registada a receita:

INGREDIENTES

Frango gordo em pedaços - 1
Cebola grande - 1
Dentes de alho - 4
Tomate sem peles nem pevides - 250 g
Cogumelos frescos - 125 g
Vinho branco - 2 dl
Azeite, salsa, louro, sal, pimenta e farinha - q.b.

PREPARAÇÃO

- Passa-se o frango por farinha e salteia-se em azeite até alourar;
- Junta-se a cebola grosseiramente picada e deixa-se que aloure;
- Acrescenta-se, então, os alhos picados, o tomate e o vinho;
- Tempera-se com sal e pimenta, introduzindo a salsa e o louro;
- Introduzem-se os cogumelos;
- Tapa-se e deixa-se cozinhar em lume brando até o frango estar tenro;
- Serve-se polvilhado com salsa picada;

Acompanha com:
- Tiras de pão frito;
- Lagostins cozidos;
- Ovos enfolados;

O que são "Ovos enfolados"?
- São ovos fritos em azeite abundante!
Quando o azeite está bem quente, parte-se o ovo para um prato e despeja-se no azeite. A clara solidifica imediatamente e obtem-se uma espécie de bola branca com a gema líquida.

Claro que se pode alterar o acompanhamento, mas, para que se jante como um imperador é necessário seguir os preceitos.

Ainda na panela, preparando-se para ser devorado.
Beijo
Nina

segunda-feira, 26 de janeiro de 2015

Caí em tentação ...


Caí em tentação e pequei!
E, o que é grave, é que não estou nada arrependida, pelo contrário, estou até muito satisfeita, muito bem disposta! 
Foi assim:
Há dias, entrei na Zara Home e comprei uma linda caixa onde guardo todos os telecomandos. 
Circulando pela loja, os meus olhinhos desobedientes e pecadores, repararam num candeeiro de mesa, que, em termos decorativos, tal como as caixas, é uma das minhas muitas debilidades. É que não gosto de luz caindo do teto. Prefiro mil vezes a iluminação suave e indireta dada pelos candeeiros de mesa ou de pé!
Na verdade, não precisava de candeeiro nenhum. os que tenho são mais que suficientes, mas ... este caiu-me no goto, lindo e diferente:


Oh!
Uma base metalizada  ...

... com uma coroa de frutos!


Ainda não observei o efeito, com a lâmpada acesa,
 mas parece-me que será muito interessante.
O candeeiro que ocupava esta mesa - de apoio a dois sofás - passou para a cómoda de um quarto e o efeito agradou-me bastante, o que confirma que o assunto "decoração" nunca está encerrado.
Ainda que não se faça compras, é sempre possível renovar, mesmo que apenas à custa de mudanças.

Finalmente, hoje, consegui arrumar definitivamente as toalhas de mesa que se amontoavam sem nexo e me enervavam só de pensar na desordem.

Cumpridas as obrigações mais prementes ... apetece-me pintar, pintar móveis, aligeirar o conjunto.
Acho que preciso de uma lixadora elétrica, acho!
Vou averiguar!

Beijo
Nina

domingo, 25 de janeiro de 2015

Patchwork - avançando!


O fim de semana está quase a chegar ao fim e, pouco avançou o meu projeto de aprendizagem. Devagarinho, mas com segurança, arrisco os primeiros passos.
Ontem, sábado, limitei-me a pesquisar na net nos inúmeros sites disponíveis, esclarecimento para dúvidas e hoje, domingo, tratei de os por em pratica, dedicando à tarefa apenas 1 hora.
Devo confessar que cosi e descosi várias costuras, ou porque me esquecia do princípio fundamental - "direito com direito" - ou porque, inapata, cheguei a ligar retângulos dobrados!
Sou marinheira de primeira viagem e aprendo com os erros que, até prova em contrário, é a maneira mais sólida de aprender.

Como mostrei AQUI , cortei retângulos de 9 por 27 cm ...


... que liguei, mais ou menos ao acaso.

Ligados os retangulos, cortei-os de novo, respeitando as dimensões de 9 por 27 cm ...

... obtendo retângulos formados por 3 quadradinhos ...

... que liguei!
O resultado foi este quadrado grande, formado por 9 quadrados pequeninos.
Repetirei esta operação até que atinja o número de quadrados grandes necessários, que serão então, ligados entre si, com um dos tecidos que possuo.

Não pretendo construir uma manta imensa que cubra toda a cama. Prefiro usar uma colcha branca e sobre ela colocarei a mantinha de retalhos, com todas as almofadas a que tenha direito! Adoro sobreposições!

Se está a ser difícil?
- Não, o procedimento é simples, desde que se preste atenção ao corte rigoroso dos tecidos e às costuras que devem ter margens rigorosamente iguais.
Se está a ser gratificante?
- Sim, muito gratificante. É um trabalho de paciência que não se compadece com pressas, apenas isso.

Nele descobri a importância inestimável do ferro de passar e o papel imprescindível dos alfinetes, que impedem costuras tortas! Já para não referir a ajuda preciosa do desmanchador de costuras! 
Utilizo o ponto 4 da máquina de costura, o mais fácil de desmanchar e não hesito em descoser qualquer ponto errado.

E pronto! 
Entendido o mecanismo da "coisa", penso que em breve terei material suficiente para completar a dimensão desejada.

Começará, então, outra fase - ao que tenho ouvido, a mais difícil - a da sanduiche!
Uma coisa de cada vez, um passo atrás do outro, sem pressas, repito!

Beijo
Nina

sábado, 24 de janeiro de 2015

Compras!

Está um dia de sol tão bonito!
E a temperatura subiu! Subiu, a ponto de sentir calor com as camadas sobrepostas com que me agasalho!
Por isso, ou por qualquer outro inconsciente motivo, hoje, quando cheguei a Cerveira, pela manhã, apeteceu-me sair e dar uma volta pela feira.
Valeu a pena!
A loucura das multidões que precederam o natal cessou. Anda-se bem pelas ruas estreitas que se desenrolam entre as barracas de venda e apetece parar, apreciar e comprar, nas calmas, sem atropelos.

Acho que fiz belas compras.


Comecei por este Bordado Inglês.
1 €, 3 metros!
Inacreditável!
Comprei 6 metros.
É sempre bom ter uma reserva deste produto que confere acabamento lindo e delicado em inúmeras situações. 
 O tecido bege, às pintinhas, 100% algodão, ficará de reserva, aguardando destino, para costuras que tenho em mente.
Custou 4 € cada metro. o que me parece ser muito bom preço.


Para a manta azul, de momento em execução, trouxe duas estampas novas - a de estrelinhas e a florida, ambas a 4 € o metro.
 Continuo a considerar que se tratou de um excelente negócio.
Seguidamente, vou preparar os tecidos de acordo com instruções que achei em variados sites.
Assim:
- Os tecidos devem ficar de molho, pelo menos 24 horas, dobradinhos, para que as fibras do algodão não se quebrem.
- Passado esse tempo, devemos suspender os tecidos no estendal e deixar que sequem lentamente.
- Só então devem ser passados, ourela contra ourela, e guardados, esperando o momento de serem utilizados.

Vou, pois, tratar de os submergir em água e, aproveitando a tarde de sol, continuarei com o corte dos meus retalhinhos!

Tenham um bom, feliz e produtivo sábado.

Beijo
Nina

sexta-feira, 23 de janeiro de 2015

TARTE DE LIMÃO


No último sábado, comi Tarte de Limão como sobremesa de um jantar muito agradável que me foi oferecido ... sortuda!
Lembrei-me então da minha tarte de limão de que , inexplicavelmente, imperdoavelmente, me tenho esquecido.
Ficou, desde então bem presente na minha memória e hoje é já realidade na minha cozinha.
É muito fácil, muito económica, absolutamente deliciosa e moderadamente calórica - desde que se coma só um pouquinho! 
Aliás, esse princípio é fundamental. Chama-se contenção ou moderação. Nunca privação.
Nas dietas, como na vida, não acredito em medidas drásticas, porque se revelam, com o tempo, muito difíceis de respeitar.
É que ninguém é, nem quer ser, de ferro!
É que ninguém veio ao mundo para sofrer!
E o que faz mal, e obrigatoriamente engorda, são os exageros.

Por exemplo, comer um quadradinho de chocolate - se for preto, melhor! - não só não engorda, como faz bem ao corpo ( possui muitos anti oxidantes) como ao espírito ( promove a produção de serotonina, responsável pelo bem estar).
Porém, se, compulsivamente, se devora todo o chocolate, aí, não é culpa do chocolate!
Pois o mesmo ocorre com a TARTE DE LIMÃO e, de resto, com tudo quanto a gula sugira.

A minha tarte de limão é doce e ácida, crocante e fofa como uma nuvem!


Começa-se por forrar uma forma de fivela com uma massa que se obtem:
-Triturando um pacote de bolachas ( Maria, Torrada, etc.) até o reduzir a pó;
-Mistura-se, então, com 125 g de Becel;
-Reveste-se o fundo da forma;
-Aguarda

Precisamos de 1 limão grande e suculento como este, que veio de um dos meus limoeiros que, alegremente, se reproduzem no terraço.
-Depois de bem lavado e seco, raspa-se toda a casca e extrai-se-lhe o sumo!

Junta-se 2 gemas e uma lata de leite condensado light, misturando muito bem!

Despeja-se a mistura sobre a massa de bolacha e vai ao forno, a 180 graus, durante 10 minutos.

Entretanto, batem-se as claras em castelo ...

... até ficarem firmes e ...

... acrescentamos 2 colheres de sopa de açúcar, continuando a bater!

Retirámos a forma do forno, verificando que a mistura solidificou ...

... e, sobre a superfície, espalhamos o merengue!


Volta ao forno, por 5 minutos, até o suspiro ganhar cor ... assim!
Obtemos uma sobremesa com base crocante!
Recheio doce como são todos os recheios que incluem leite condensado, com um ligeiro travor ácido, conferido pela casca e sumo do limão.
Finalmente, a cobertura fofa como uma nuvem, completa o poema.

Sugestão divina para o fim de semana!

Beijo
Nina