quinta-feira, 2 de julho de 2015

Anoitecendo


Quarta-feira é dia de descanso no MEU RESTAURANTE PREFERIDO  e então, há que pensar em alternativas. 

Acontece que por uma secreta e misteriosa combinação, os outros, os restaurantes alternativos de que também gosto, estão igualmente encerrados!
Não percebo! Todos os bons encerram à quarta?
Por quê?

Pronto! É  esta a realidade e contra factos não há argumentos!

Para jantar, rumei então ao desconhecido e procurei mesa em Cacela!

Entrei no primeiro que encontrei, tão desconhecido como todos os outros.
Jantei!
Uma absoluta banalidade! Nem bom nem mau ... antes pelo contrário!

O nome?
Não digo, não me apetece, não merece referência.
Foi pois um jantar sem história que acabou rapidamente, até porque apenas uma mesa estava ocupada - a minha!

Esqueçamos pois o jantar e foquemos no pós jantar que foi glorioso!


Era crepúsculo!

Uma mágico crepúsculo!

O céu rosado, o mar, a ria ...


... com maré baixa, barcos ancorados e silêncio... Sentem o silêncio?



Não parece real, não parece deste mundo!

Da ilha, chegam os últimos passageiros ...

Não é noite ainda, mas também já não é dia e as formas esbatem-se, indefinidas!

A língua de areia separa o mar da Ria Formosa .
É o início da ilha de Tavira.

Ao fundo um casal de conquilheiros carregando um saco de delícias que, acompanhadas por cerveja gelada, são assim uma espécie de manjar dos deuses!

Ainda dia, mas uma enorme lua cheia surge gloriosa!

Enfim, o jantar foi o que foi, mas o pós jantar salvou a noite.

Beijo
Nina


quarta-feira, 1 de julho de 2015

E que fazes tu à noite, Nina?

E que fazes tu à noite, Nina? - Perguntarão.

Sim, o que se faz nesta terra que durante o dia oferece o melhor mar do mundo, o céu do mais azul  que se pode imaginar, a areia mais branca, a fruta mais doce, o silêncio mais profundo e a a música das ondas?

Durante o dia está-se, é-se - muito bem, muito feliz!


E à noite?
À noite, temos jantares deliciosos e, a seguir, uma voltinha saudável!
Com estrelas!
Que na cidade não se vêem! 
Só aqui, na aldeia, na praia/aldeia, sem bares, sem discotecas, sem movida!

Depois, o regresso impõe-se. 
Ao hotel!
 Com TV no quarto e ar condicionado!

E aí ...



Tricô!
 Coisa quase incompatível com o calor. Porém o ar condicionado ajuda.

Estou nas mangas, que avançam e recuam ...

... porque o PONTO ESTRELA é exigente, requer atenção e qualquer distração é "a morte do artista".

Resolvi tricotar as duas mangas ao mesmo tempo, garantindo que ficarão rigorosamente iguais. Experimentei fazê-lo uma vez e achei boa ideia!

Esclareço que o trabalho avança devagarinho, não só devido ao faz/desfaz, mas também porque, depois de jantar e de um dia de sol e mergulhos, o cansaço vence-me e o soninho abençoado chega rapidamente.

Este o programa excitante que me apraz revelar!

Beijo
Nina

terça-feira, 30 de junho de 2015

Restaurante Marés II



Em Altura - mesmo em frente à igreja.
 Não tem como enganar, é onde fica o Restaurante Marés II.
Muito, muito bom!

Já AQUI tinha falado dele.
É que sou repetente!
Sempre repito o que me agrada.

Desta vez, o pecado chamou-se ARROZ DE MARISCO! 


Dispensa legenda ...

... mesmo para mim, que gosto de legendas!

Uma dose, para 2 pessoas!
Esta imensidão!
Daria para 4 ou 5!

Mas o que realmente importa é a qualidade, não a quantidade e essa - a qualidade - é inexcedível!

Comemos menos de metade, com muita pena minha e ainda assim não fui capaz de comer sobremesa.
Por isso fico sem palavras e deixo que as imagens falem por si.

Digo apenas que quem assim cozinha deveria ser condecorada, receber prémios e louvores.
A sério!

O único senão é que receio a consequência destas delícias!
Pensando melhor ... não interessa! Se preciso for, a seguir tratarei da balança.

Beijo
Nina

segunda-feira, 29 de junho de 2015

Leitura light!




Leitura light não tem que ser acéfala!
 Dessa não gosto, não passo das primeiras páginas, não tenho saúde nem paciência!

Para férias, para levar para a praia, para ler na sombra ou ao sol, gosto de prosa saborosa, bem temperada, com o seu quê de mistério desafiante!


É o caso!

Best seller, não sem motivo!
É um policial muito bem construído com intervenientes reais que poderiam ser os vizinhos da casa em frente.

Li-o - devorei-o - compulsivamente num instante.
E deixo a sugestão!

Boas leituras!

Beijo
Nina

domingo, 28 de junho de 2015

Sardinhas!


Aprendi a gostar de sardinhas, já adulta!
Em criança, nunca ninguém me convenceu a sequer prová-las!
Olhava e via espinhas, quando muito, comida para gato!

Para agravar a aversão, as ditas tinham cheiro forte, poluindo o ar enquanto eram assadas na brasa!
Pronto!
Era tamanho o horror que só por crueldade mental me poderiam obrigar a comê-las / cheirá-las.
Era uma relação de profundo e definitivo ódio.


Quem haveria de dizer que, anos volvidos, um dia, numa festa de S. João, a medo, me atrevi  a provar e... não é que gostei?

Temos, portanto, que gosto muito de sardinhas e que, no S. João faço toda a questão de as comer, um bom prato delas, com batatas cozidas e salada.


Uma delícia!
Em casa nunca as cozinhei e suspeito até que não tenho competência para tal.
Mas , a verdadeira razão é que as ditas impregnam a casa com o seu cheiro forte, devendo, obrigatoriamente,  ser cozinhadas ao ar livre.

Depois, há que confessar, estou sozinha nesta preferência e suspeito que os meus familiares, odiadores profissionais de sardinhas e de peixe miúdo - o tal para gato - abandonariam o lar familiar se eu me aventurasse em tais lides.

Por isso, como sardinhas no restaurante, como a imagem documenta!
Este ano já me lambuzei três vezes! Uma boa média!
Creio que encerrei a sessão das sardinhas e que, agora, só para o próximo ano voltarei ao local do crime!

Será que abri o apetite a quem me lê?

Beijo
Nina


sábado, 27 de junho de 2015

10 da manhã, 32 graus!



Calor a sério!
A casa, felizmente é bem fresquinha e o ar condicionado garante uma noite de sono repousada.

Enfim, tanto nos queixámos do frio, que o calor chegou!


Aqui, na CASA DE CACELA, o dia  começa bem, com um pequeno-almoço que é um prazer para os olhos e para o paladar.



Uma enorme variedade de fruta fresca ...


... pão variado e compotas deliciosas ...


... apresentadas nesta mesa, onde não faltam sumos, chás, toda a espécie de charcutaria ...

... e os queijos, a tentação dos queijos!

Não é que o calorão desapareça, mas, com tais amenidades, suporta-se bem melhor!
Então, comigo, é decisivo para determinar o meu humor para o resto do dia, dado que, a mais importante das refeições, é, justamente, o pequeno almoço.

Tenham um feliz resto de sábado!
A noite quente convida a jantar ligeiro, cerveja gelada e uma ( ou duas, ou  ...) caipirinhas!

Beijo
Nina

sexta-feira, 26 de junho de 2015

Casa de Cacela



Descobri a CASA DE CACELA quase por acaso, por ouvir falar, pela voz de locais que me merecem crédito e agendei mentalmente testar as suas qualidades.

Assim fiz!

Situa-se em Vila Nova de Cacela, terra pequenina a que se acede a partir da estrada nº 125.
Depois, é só perguntar e chega-se num instante, sem a menor dificuldade.

Entra-se por amplo portão, seguindo um caminho ladeado por pomares até à casa,  uma típica habitação algarvia.

Os proprietários, um simpático casal  acolhe-nos afavelmente, mostrando-nos as instalações - quartos  bem decorados, espaços amplos de lazer , uma piscina implantada em belíssimo relvado, silêncio, vozes de aves, flores, sol, muito sol e céu azul!

Muito lindo!






O exterior branco, debruado a ocre ...

... flores sempre presentes ...

A piscina na zona de lazer ...

... com cadeiras e espreguiçadeiras que aqui a ordem é desligar do mundo e dos seus apelos ...

Nada parece ter sido deixado ao acaso e os detalhes fazem a diferença.

As plantas crescem exuberantes ...

... e, nesta manhã de calor, senti-me num resort tropical.

O bom gosto, o cuidado, para onde quer que se olhe.

Esta, uma das salas de estar.
Aqui é servido um divino pequeno almoço - até às 12:00H, sem pressas ...

A vegetação, para onde quer que se olhe,  densa, quase opaca de tão exuberante ...

... e, ao fundo, pomares.
O sumo de laranja que é servido ao pequeno almoço vem daqui!

Vista a partir do solário, onde , os mais afoitos podem, literalmente, esturricar tal é o calor.


Nesta  árvore coabitam  dezenas, muitas dezenas de aves, grandes, vistosas e barulhentas.
É, definitivamente, um paraíso dentro doutro paraíso!

Foi a minha primeira vez.
Não será a última.

Beijo
Nina