segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017

Sucesso!


E não é que achei?

Foi mesmo bom!
Quando já tinha perdido a esperança - achava que só em Espanha ou por essa Europa fora teria sucesso - recebi a sugestão de procurar no Armazém dos Linhos, ali na Rua de Passos Manuel, na baixa portuense.

Foi um anónimo que me encaminhou - mil vezes obrigada querido(a) anónimo(a).

Esta manhã destinei-a a esta derradeira incursão e achei exatamente o que procurava.



O tecido possui o quadriculado onde poderei inscrever o monograma.
já comprei as meadas - no Lopo Xavier, uma retrosaria deliciosa que tem tudo!
 Se não tiver é porque não existe!


O fundo não é branco, é bege e é lindo!
A minha louça é quase toda branca, mas, se entretanto  encontrar pratos na cor  bege não hesitarei em comprar, porque então será o supra sumo, a perfeição das perfeições.

Possuo tigelas para a sopa, taças para a salada e gigantescos cálices para a sobremesa em azul escuro, que, combinados com a louça branca, ou (ainda melhor) com a  bege  farão uma "paisagem" irresistível para um encontro alargado de família ou de amigos.

Ah! além dos guardanapos - quase esquecia de dizer - comprei também a toalha!

No Armazém dos Linhos encontrei além deste tecido um outro em branco, também com este quadriculado que permite o bordado - deixo a informação.

A pessoa iue me atendeu informou-me que a escolha era restrita porque atualmente se opta maioritariamente pelas toalhas e guardanapos já feitos, o que, na minha opinião, é uma enorme pena!

Este armazém localizado na Baixa do Porto é extremamente visitado por portugueses e  estrangeiros já que as suas mercadorias são de qualidade - nada de fibras, nada de made in China, a fatalidade que nos assola.


Será neste espaço que bordarei o monograma ...

... que, logo que pronto, mostrarei.


Antes, porém, existe  UM CASACO  em fase de acabamento a que há que dar atenção .
A seguir, há que cortar os guardanapos e, só então, passarei à fase verdadeiramente divertida, a fase do bordado.

Em desespero já havia consultado uns quantos sites ( guiada por várias amigas, a quem muito agradeço) que ensinavam a bordar tecidos sem quadriculado recorrendo a uns certos truques. Possivelmente funcionariam, mas, na verdade, não me entusiasmavam.
O que eu queria - e que sabia existir - era isto, era este tecido!
Quem procura acha, não é?

E pronto!
Para começar a semana não foi nada mau!
Foi até um grande começo, não acham?
Foi uma conquista!
Assim a encaro.

Beijo
Nina

domingo, 19 de fevereiro de 2017

Aproveitamento de batatas



Para quem não percebe nada, ou quase nada de cozinha, deixo esta sugestão para aplicar / aproveitar batatas  cozidas, daquelas  que sobraram e que, invariável e  normalmente, acabam na preparação de sopas.
Não que essa aplicação seja má, que não é, mas podemos elevar as sobras de batatas a acompanhamento muitíssimo saboroso.
Assim ...

Numa frigideira em que se verteu um fiozinho de azeite, colocam-se rodelas finas de cebola, alhos picados e batatas cortadas em cubos  e deixa-se que fritem até a batata ganhar uma capa dourada ...

No caso, acrescentei algumas folhas de couve cozida que também haviam sobrado ...


... e para elevar o estatuto do prato, juntei uma mão cheia de castanhas congeladas.

Fui mexendo, mexendo, envolvendo todos os ingredientes e permitindo às castanhas que cozessem.
Temperei com pimenta preta dispensando o sal que já entrara na cozedura das batatas.

Foi acompanhamento de bifes grelhados!
Foi muito bom!
Foi muito elogiado!

Portanto, para quem não percebe nada de cozinha, ou para quem percebe muito mais que eu, mas a quem não ocorrera esta associação inesperada, deixo a sugestão - em nome da justa aplicação das batatas, fartas de servirem apenas para engrossar sopas.

Bom fim de domingo.

Beijo
Nina

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

Restaurantes ...

Quanto a restaurantes, não sou aventureira, isto é, não vou de peito feito à descoberta - tantos têm sido os arrependimentos.
Por isso, quando descubro um que me agrada, mantenho-me bastante constante.
 Nessa lista, aqui na minha cidade, conto não mais que meia dúzia, dos tais que não decepcionam.

Porém, quando se trata de local desconhecido não existe outro meio que não seja o de arriscar. Normalmente consulto o Trip Avisor e leio comentários ... que valem o que valem, mas, ainda assim, são alguma coisa.
A propósito dessas avaliações e comentários, tive uma experiência esclarecedora:
Fui há tempos  a Ponte de Lima e, como de costume, busquei informação . Lá escolhi o restaurante (cujo nome não refiro apenas porque o esqueci).
Lá chegada, desconfiei - não era bem um restaurante, não era bem um café, enfim, não era bem o que imaginava.
Como especialidade apregoavam o "Cabrito assado" e cabrito assado foi pedido. Apareceu uma coisa estorricada e fibrosa, uma coisa "incomível" - passo a expressão que desconfio não existir.
Bem, reclamei e ... paguei.
Muito, muito mau!
Chegada a casa preparei-me para comentar... e o que vejo?
- Um comentário postado nesse mesmo dia tecendo os mais rasgados elogios ao cabrito assado.
Conclusão ... os comentários, como já disse, valem o que valem!

Hoje, com um dia de sol radioso, voltei a Ponte de Lima, uma terrinha encantadora  onde, apesar dos pesares, se come muito bem.

Hoje, não consultei o Trip Advisor que, de resto, me tem sido muito útil em imensas situações.
 Mas, não!
Hoje sabia ao que ia! Já tinha experimentado e em Ponte de Lima, na minha opinião não há melhor.
Aliás atrevo-me a afirmar que este é um grande restaurante, mais, que este é, provavelmente, um dos melhores restaurantes de Portugal.
Como se chama?
Fixem o nome:

RESTAURANTE CARVALHEIRA

É antigo, mas mudou de instalações, para um lugar paradisíaco, a Quinta do Eito,  muito perto do golf de Ponte de Lima.




Trata-se de uma casa rústica muito bem recuperada que oferece um ambiente muito confortável e muito simpático dada a cordialidade dos funcionários.

E a comida ... a comida é perfeita,  divinal!

Como entrada, petiscámos um presunto excelente ...
 
Seguido por ...

Cabrito assado - gostamos mesmo do bichinho!
Uma dose dá para dois e no caso, sobrou!
Estava perfeito!
No paladar, no ponto de cozedura, nos acompanhamentos!







O vinho foi este!
Muito bom, acompanhando na perfeição o assado.

Não costumo pedir sobremesa, mas hoje abri uma excepção e sucumbi à gula - um pecado muito feio!

Pudim Abade de Priscos


Leite creme queimado
 Fiquei-me pelo leite creme - e acho que hoje não janto.


Voltando ao espaço interior, repito que é extremamente agradável ...


Com uma imensa lareira que aquece o ambiente ...

 

 

 Todo o espaço é acolhedor, é bonito, é cuidado ... isso conta muito!

Cá fora, num dia de sol como o de hoje, uma quinta muito cuidada onde se pode passear  e respirar a tranquilidade do campo .




 

 




Tem até laranjeiras, lindas, carregadas de frutos ...

 

Ainda apanhei duas, das que semeavam o chão!








 Já com indumentária primaveril, aproveitei o sol e deixei que me fotografassem, para não esquecer esta sexta-feira de Fevereiro que fez uma pausa nos rigores do Inverno que temos sofrido.



À saída este painel de azulejos, lindo, de uma ingenuidade comovente, que sintetiza a beleza do lugar ...
 Pois se o próprio Cristo o confirma!

Decididamente, este restaurante ficará na minha lista privada daqueles que jamais decepcionam e por isso aconselho.
(Esclareço que paguei o almoço atá ao último cêntimo!)

Beijo
Nina

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017

Não está sendo fácil ...



Não está sendo fácil encontrar o tecido adequado para OS GUARDANAPOS, embora, aparentemente, tecido branco com riscas azuis seja uma banal combinação.
Não é!
Encontrei até outras combinações, outras cores, mas ... tinha de ser azul!

Comecei pela Zara Home que, por acaso, até apresenta uma colecção linda em azul e branco, para banho e para cama, mas não para mesa. Procurei guardanapos, mas também poderiam ser panos da louça (obrigada, Lete!), mas não! Não achei o que queria.

Depois passei pelo Continente, pela secção de atoalhados, também sem sucesso.

A seguir fui à Feira dos tecidos , onde, tirando uns quantos horrores em fibra, nada encontrei.
Resta-me a Baixa onde existem boas casas de atoalhados - vou lá amanhã.

De algumas amigas recebi sugestões e links informativos, que muito agradeço. Porém, antes de iniciar altas "cavalarias" vou continuar a busca de tecido adequado para o fim.

Foram horas nisto!
Fiquei cansada e tive muito calor.
Calor, sim!
Estava muito quente dentro do shopping e até guiei com a janela do carro aberta!

Vestia uma camisola quente ...

 

... e com ela assei!

Passei, então, pela Zara e entrei.
À primeira vista a colecção Primavera / Verão é fraquita.

Ainda assim comprei duas camisolas - muito mais frescas do que esta que comprei sem provar, comprei a olho - a minha especialidade -  para em casa experimentar.
Correu bem!
Já experimentei e gostei.

Riscas!
Numa malha fininha e suave.
No caso em preto e bege.
Linda e confortável como se exige.


A segunda em bege, com pérolas no punho e um folhinho na manga.

Igualmente confortável ...

... boa para a Primavera.

Os sapatos, também eles novos, não foram comprados hoje, mas ainda assim mostro-os porque casam lindamente com as novas aquisições.

Apesar do formato aguçado são muito confortáveis graças ao tacão largo - que usei lá muito atrás ...


Foi assim!

Para quem saiu procurando guardanapos que não achou, não se pode dizer que a tarde tenha sido improdutiva.
Não comprei guardanapos, mas comprei duas camisolas/blusas!
Não foi mau, pois não?

Beijo
Nina

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2017

Monogramas





Na última sexta-feira convidei para jantar 2 casais amigos e, ainda que haja intimidade, capricho na apresentação, o que, pela minha parte,  significa grande carinho por quem me visita.
Mesmo que sejamos íntimos, mesmo que a refeição seja simples, ainda assim, capricho.

No caso, utilizei guardanapos brancos com monograma bordado, um monograma especial já que os ditos guardanapos haviam sido herdados, pelo que as iniciais não eram as minhas, facto que causou alguma perplexidade numa das minhas amigas.
Expliquei e esclareci.

A verdade é que tenho guardanapos e toalhas com as minhas iniciais - obrigada, mãe! - um bordado branco sobre branco, absolutamente clássico, inscrito em guardanapos de linho branco , a minha (não) cor preferida para roupas de casa, quer seja cama, quer seja banho, quer seja mesa, mas, na última sexta-feira, no tal jantar, apeteceu-me usar os guardanapos de família.

Esta mania e preferência pelo branco é coisa assente, coisa de sempre que me pareceu não mudaria jamais.
Não mudou, mas ...
Vacilou!
É isso! Abri horizontes para outras possibilidades depois de ver isto:


Monograma:
Louça em azul e branco com guardanapos a condizer, com monograma nas mesmas cores.
Esta beleza veio DAQUI!


No pinterest encontrei uma colecção incrível de monogramas ...


Free Easy Cross, Pattern Maker, PCStitch Charts + Free Historic Old Pattern Books: Sajou No 321:
Como estes, lindos, em azul.
Foram trazidos DAQUI!

O problema parece-me ser encontrar o tecido que se adapte  - gostaria que fosse 100% algodão, em branco com risca azul e com quadriculado que permitisse o bordado.
Gostaria, gostaria muito!
Sugestões?(s.f.f.)

Beijo
Nina

domingo, 12 de fevereiro de 2017

6 aninhos!

Só hoje me dei conta que  O MEU PENSAMENTO VIAJA fez ontem 6 anos!
Como passou rápido!
Sinal de que não foi tempo perdido, pelo contrário, foi tempo muito bem ganho, muito bem aplicado, que rendeu altos dividendos.
Não, não vou falar das amizades que fiz, dos horizontes que se abriram, das retribuições e alegrias. Não vou!
Mas podia!
Não houve nada para esquecer, nada de que me arrependa, nada que tentasse apagar.
Nada!
Mesmo o que menos me sorriu - uma ou outra vez, admito - não foi por acaso e, se foi, gerou outros momentos de pura felicidade.
Escrever tornou-se um ritual. Não um dever. Escrevo muito porque quero, porque é bom.
E, enquanto continuar a ser bom, aqui continuarei.
Sempre muito grata a quem me acompanha, a quem tem a generosidade de me oferecer o seu tempo comentando, a quem não comenta, mas me lê, muito grata a quem tomou consciência da minha existência.
E, ser grata é bom.
Tão bom como escrever.
Obrigada!

Beijo
Nina 

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2017

Mais azul ...

Não há dúvida de que " ... uma coisa leva a outra ...", isto é, na decoração impõe-se uma lei do tipo "vasos comunicantes", o que equivale a dizer que alterando uma parte essa alteração se reflecte no todo..
Quando recuperei AS CADEIRAS, sabia que outras alterações ocorreriam porque:
- Me sobrara tecido;
- Outras peças sugeriam upgrade

Nada a fazer se não acomodar-me à força dos elementos ... e continuei as reformas.



Em boa hora!

Um banquinho insignificante - comprei-o na Feira de Cerveira por 5€ - ganhou visibilidade e estatuto.
Recebeu um tampo acolchoado forrado com tecido igual - o tal que sobrara.

E não é que funcionou?

O banquinho insignificante ganhou ares de peça estilosa, bem como este ...
... em vime, que já foi banco de apoio em casa de banho, já teve cor natural,  finalmente foi pintado, terminando com assento acolchoado..

No mesmo espaço, dois puffs centenários - centenários, sim! Vieram de casa de antepassados longínquos, de uma "sala de visitas", como então se usava - mas estavam com muito má cara, nada bem de saúde, sugerindo lixo.
Pena que não os tenha fotografado - sempre me escapa o "antes".
Decidi tomar uma atitude ...


Teria de ser em azul e branco, mas, o que aparentemente é fácil, revelou-se extremamente complicado, isto é, não encontrava tecido que me agradasse.
Finalmente achei!
Branco com estrelas azuis!

No "meu senhor estofador" deixei os moribundos.
Hoje resgatei estas belezas!

Tenho ou não razão em preservar e reciclar?
Poderia simplesmente ter comprado dois puffs novos, - pois podia! -  mas ...

-Não teria metade da alegria;
- Com certeza compraria uns de uma série de milhares - que agora tudo é feito assim mesmo - em série!
-Os meus velhinhos desapareciam sem préstimo nem glória - que ninguém os aproveitaria.

E como já antes dissera a propósito do "sistema de vasos comunicantes", palpita-me (tenho a certeza) que outras reformas virão - que isto de dar cara nova ao velho, vicia, vicia mesmo!

Bom fim de semana.

Beijo
Nina