segunda-feira, 28 de Julho de 2014

1172 - Agulhas



Só quando me afasto delas é que verifico a importância que as ditas desempenham na minha vida.
Uma pessoa organiza a mala - pouca tralha, por favor, escolhe as leituras, inclui o iPAD e o PC e ... vá lá, um novelito ou dois ou três - nunca mais que isso, que férias são para descansar e blá blá, blá blá!
Só que, vem uma certa hora do dia em que as mãos se inquietam, desocupadas, clamando, suplicando por ocupação, por coisas, coisinhas ...


Quando começo a "ressacar" ocupo as mãos. Normalmente depois de jantar que as noites frias, húmidas e ventosas convidam ao conforto do sofá.
Melhor que uma pílula que promete paz de espírito, melhor que um qualquer Prozac que vende alegrias fictícias, a mim, alma simples, agulhas e novelos garantem momentos tranquilos e alegram os meus olhos com a beleza das coisas que vejo nascer, placidamente, sem pressas.
Será manta. Fará conjunto com almofadas em fase de acabamento. Será cara nova de um quarto, que há lá coisa melhor que mudar o que nos cansa?

Beijo
Nina

1171 - Tão simples, tão bom!




Arroz de tomate, filetes de pescada , grelos salteados
A graça está na simplicidade, na qualidade e na apresentação.
O arroz caldoso surge envasado em malguinha elegante.
Os filetes, fresquíssimos, apenas dourados, no ponto exato, sobrepostos em abraço aconchegante.
Os grelos  verdíssimos, exalando um ligeiro perfume de alho, fumegam, completando a pintura.
Delicioso como só as coisas genuínas e simples conseguem ser.
Boa segunda feira!

Beijo
Nina

domingo, 27 de Julho de 2014

1170 - Flores secas






Há tantas adelfas por aqui!
São paredes, muros, maciços de todas as cores.
Tenho apanhado umas tantas florzinhas que meto entre as páginas de um livro - como, quando adolescente, romântica e apaixonada, fazia, pensando nele, o príncipe que por dias ou semanas ocupava o meu coração.
Se a coisa perdurava, acabava por enviar ao eleito uma prova do meu afeto, embora, reconheça com pena, na maior parte das vezes , a paixão era muito mais perecível que as flores.





Atenção, de momento apanho-as com fins bem prosaicos - aplicá-las num futuro projeto decorativo, que, graças a Deus, tal como o sarampo que me imunizou para a vida, assim ocorreu com os ataques de paixão!

Beijo
Nina

sábado, 26 de Julho de 2014

1169 - Silly Season

Diz-se deste período em que não se faz nada ou quase nada.
Só que de "silly" não tem nada. É um estupendo recarregar de baterias e, talvez por determinação divina, fico assim como que isolada do mundo.
Só neste cafezinho de aldeia - pasme-se! - tenho wifi e, num assomo de criatividade, alinhavo meia dúzia de linhas para assegurar que estou viva. Felizmente, as (os) amigas(os) - perdão pela exclusão, Xico -  garantem-me, na medida do possível, um reconfortante feedback, assegurando que não discurso para os peixes, que isso já fez Santo António e o Padre António Vieira.
Pois então, é assim!
Acorda-se com céu muito, muito azul e sol a rodos. É uma preguiça boa de mexer pouco e devagar, descer para o pequeno almoço, sair para os jornais e o choque revitalizante do expresso amargo e forte e depois, praia, sem relógio, só com o sol descendo para poente como despertador.
O fim do dia com cerveja gelada e peixe muito fresco, "aqui do nosso mar", grelhado no ponto certo, por sabedoria congénita de gerações de pescadores.
Suavemente, sempre sem pressas, termina o dia ...
Feliz sábado!

Beijo
Nina

sexta-feira, 25 de Julho de 2014

1168 - Na praia


Faz-se muito pouco. Faz-se quase nada, que assim é que sabe bem.
A gente besunta-se de protector solar.
A gente passeia ao pé da água.
A gente mergulha no mar.
A gente estende-se ao sol.


E atualiza a leitura, que se quer light.
Fofocas sobre os colunáveis, no caso espanhóis, que prefiro aos portugueses ... Sempre os mesmos e cada vez mais pindéricos.

Aquela ao fundo, sou eu - mentira!

Praia sem palavras cruzadas, não é praia.
Diz que sim, que devemos fazer para assim manter distância do terrível alemão.




Oh! Desafio vencido!
Sudoku é que não!
Definitivamente, uma mulher de letras e não de números!

Beijo
Nina

quinta-feira, 24 de Julho de 2014

1167- Desculpas!

Deixo as minhas amigas sem resposta. Não gosto. Mas, no "céu" a WIFI, caprichosa, faz-se rogada.
Vou seguindo, visitando os blogs amigos. Responder é que não é tarefa fácil. Peço compreensão por uns dias, poucos, infelizmente.

Beijo
Nina

1165 - Céu!



Primeiro são as palmeiras, depois as dunas e só depois o mar.

É o que se vê ao abrir a janela. E a baforada do vento quente.
Depois é o jantar ao ar livre, no crepúsculo que se eterniza.
E, na mesa, peixe grelhado. Hoje, sardinhas. Com cerveja gelada.
Em pleno "modo" férias.
Tão bom!

Beijo
Nina