sexta-feira, 27 de maio de 2016

Queridas amigas artistas ...



... minhas musas inspiradoras, a quem tanto devo, a quem tudo devo, observai, comprovai como sou uma aluna aplicada ... faço  flores!

Eu conto!
Aqui, neste mágico  mundo virtual, tenho descoberto fascinantes talentos - por esse mundo fora. Se às  vezes entendo facilmente a mensagem, outras nem Google translator me vale. É  então  que recorro à  imaginação,  à  criatividade, concluindo, incrédula  e estupefacta que " yes, I can!"

Assim ocorreu com a manta de 1000 cores, quase, quase concluída , ultrapassando largamente as minhas expectativas,  de tão  fantástica  que resultou - é  claro que vou mostrá-la e nem poderia ser outra a opção - só  que ainda não  está  no ponto ... falta-lhe - como direi? - falta-lhe a cereja no topo do bolo, no caso, o remate periférico.

Entretanto, com as sobras, várias  e variadas, mergulhei no universo das flores ...
Serão  almofadas!
Gosto! Gosto mesmo do resultado.
Vejam:




Para já  aproveito os verdes ...




Noutra fase, farei a ligação  com azul turquesa,  a cor dominante da manta



Palpita-me que será  um resultado feliz, daqueles responsáveis  por verdadeiros casos  de amor à  primeira vista ... que existe, sim senhora, meninas incrédulas.


Vamos então  aproveitar fios.
Façamos  flores.

Beijo
Nina

quinta-feira, 26 de maio de 2016

Que tal o feriado?



Este feriado  devolvido / recuperado está  a ssber-me mesmo bem.
O tempo ajuda e - finalmente - parece que hoje não  chove.


Lá fora,  no vasto espaço  verde que da minha  janela  se observa,  é  isto, uma festa!





Faz-me pena todos os alérgicos  - tenho alguns  cá em casa - que só  de olhar  choram e espirram.
Estas flores são  lindas no seu habitat,  mas, uma vez apanhadas desfalecem de imediato. Se assim não fosse, encheria jarras e jarrões.

Agora é  só  esperar que o fim de semana se comporte - peço  sol, céu  azul, caminhadas, almoço  ao ar  livre e, já  agora, que esta cor esbranquiçada  desapareça.
Até  parece que estou doente, de tão  branquela!
Quero cor, largar meias e botas, calçar sandálias,  usar decotes e por os braços  ao léu.
Tudo gratuito!
Mas é  o que quero!

Continuação  de um colorido e delicioso feriado!

Beijo
Nina

terça-feira, 24 de maio de 2016

Uma tarde relaxada



This has been a very relaxing afternoon.
I sew, and sew, and sew!
Two small towels and two pot holders.
I sew so much that my scrap basket is near to be empty, what means time is arrived to go shopping again!



1 toalhinha + 2 pegas de panela




Uma tarde relaxada, uma tarde em que a cabeça repousa , liberta de coisas e coisinhas que não interessam, uma tarde terapêutica, foi a que hoje tive.
É raro acontecer, é raro sentir esta liberdade e por ser raro é muito bom.
- E então o que fizeste tu, Nina?
Costurei!
Melhor dizendo, brinquei às costuras.
Cortei paninhos, passei paninhos, alfinetei paninhos, cosi paninhos. Tantos que o meu enorme cesto  de retalhos começa a esvaziar-se - que bom! Motivo para ir às compras e abastecer-me com novidades.

Esta obra-prima - que me seja permitido o delírio de grandeza -  resultou da adição de restos de restos de retalhos.
Investi na experiência do "catavento" - o bloco central explicado na net em dezenas de sites.
Achei giro, fácil e vistoso.
Vou repetir - é uma ameaça!



Forrei em rosa - quadradinhos e florzinhas.


Numa mesa de cozinha, numa mesa de copa, numa mesa de varanda, para refeições ligeiras ...

... acho que funciona.

Não coloquei recheio - é pano contra pano para poder ser lavado sem constrangimento!

A segunda toalhinha  foi imaginada em tons de roxo, lilás e rosa

Sendo os tecidos mais "fortes", mais encorpados, o efeito é ainda mais interessante.

O anjinho porta velas não destoa!


Estes tecidos resultaram de sobras de almofadas recentemente concluídas

Seria uma pena, um pecado desperdiçá-los.

Como as imagens documentam, as minhas costuras são coisinhas simples, muito, muito fáceis.
Hoje, porém, aventurei-me num passo mais - esperemos que não esteja a dar um passo maior do que a perna!
Comecei um avental!
Depois mostro - se ficar bem, porque se estropiar o projeto, os paninhos seguirão para o lixo, sem dó nem piedade.
Porém, tenho cá uma secreta esperança de que vai resultar!
-Isto vindo de quem ainda há pouco tempo não sabia como enfiar a máquina!

Beijo
Nina

segunda-feira, 23 de maio de 2016

Comendo bem e (muito) barato.



The day I visited Montemor-o-Velho castle, actually I started my trip  going to Figueira da Foz, a 
seaside resort where I found a very interesting restaurant - The 77 - where we can eat very well for a really affordable price.
As a matter of fact, I paid 15€  - 2 persons - including soup, monkfish and shrimp rice, dessert, wine and coffee!
Great, isn't it?



No dia em que visitei Montemor-o-Velho e o seu fabuloso castelo, comecei pela Figueira da Foz onde não ia há muitos anos.
Cheguei a tempo para almoçar e, como normalmente faço, recorri ao Trip advisor que fornece listas dos melhores locais.
Depois de ler comentários e apreciações, decidi-me pelo 77, um restaurante fora da cidade, onde se chega sem qualquer problema.

Telefonei e reservei!

Chegados, verifiquei que não se trata de um restaurante no sentido clássico do termo, sendo mais uma cafetaria que serve comida.

A lista é curta mas existem dois pratos do dia.
Optámos pelo Arroz de tamboril com camarão:


Estava bom, correcto, no ponto certo, polvilhado com perfumados coentros.

Antes, porém, foi servido pão, azeitonas e manteiga.
A seguir uma sopa de legumes.


O vinho foi "o da casa", "a copo", de acordo com a nossa preferência.

Para terminar, sobremesa doce ou fruta, seguida de café.

Foi bom!
Com serviço atento e delicado!

Pedimos a conta:
- 15€, no total!
- 15€, dois adultos!

Extraordinário, não é?

O que me leva a questionar o valor astronómico que, na maior parte das vezes, nos é cobrado.

Este texto não é patrocinado - quem dera que fosse!
Nem sequer informei que administrava um blog e que iria dar nota ao restaurante.
Nada! Não disse nada!
O que me permite seguramente aconselhar - se passarem por essas bandas -  uma visita ao 77.

Beijo
Nina

domingo, 22 de maio de 2016

Castelo encantado!


Have you ever heard about Montemor-o-Velho?
Today, for the very first time, I went there and came back absolutely astonished with it's medieval castle.
Take a look!


Já ouviram falar?
Eu já, mas nunca antes lá estivera.
Até hoje.
Fui e voltei encantada. Com o castelo medieval - as ruas da terrinha, essas não percorri. Bastou-me o castelo com toda a sua magia.
Vejam!



Vindo da Figueira da Foz, a dada altura, ao longe, este o quadro:
- O CASTELO e muralhas em todo o seu esplendor!

No parque, junto à entrada ...


A entrada é livre, sujeita a um horário.
Junto à porta um resumo da história de vida do edifício ...



... e a sua função.


Por aqui se acede ao interior ...

... entre torres,  muros ...


... e jardins.

Facilmente se acede ao passadiço na muralha e, no intervalo das ameias o horizonte é imenso - como conviria a uma fortaleza vocacionada para a defesa.


Estava calor. Passear por entre as sombras foi agradável.

Aqui dentro, a segurança era garantida.

No meio do verde do jardim, a folhagem vermelha compõe o conjunto - parece uma pintura!
De novo, o espaço encontra-se muito cuidado e preservado.

Sabe bem passear por aqui.




A obrigatória igreja rodeado por verde ...

... e mais arcos, mais passagens ...

... mais torres ...

... mais ameias ...

A 360 graus uma planície imensa.
O risco branco mais não é que a estrada que aqui conduz.

Neste espaço, uma estrutura a ser montada, seguramente para fins lúdicos .

Depois, saí!

Como é possível que nunca, até hoje, aqui tenha estado?
Como é possível que tenha visitado castelos e fortalezas por essa Europa fora e que nunca aqui - tão perto -  tenha  estado?
Como é possível esta cegueira seletiva?

Tenho, ao longo da vida, percorrido grandes distâncias.
Tenho tido essa sorte.
Por outro lado, indesculpavelmente, tenho esquecido  preciosidades nossas, aqui tão perto.
Felizmente procuro redimir-me.
Felizmente tem valido a pena a descoberta.

De novo:
- Já conhecem Montemor-o-Velho?
Então ...

Beijo
Nina

quinta-feira, 19 de maio de 2016

Rituais

Rituals.
I really like / need to keep some rituals such as to stop for a coffebreak , when I read newspapers and  take a look at my email. Usually I go to the Shopping, very peaceful at this time of the day.
Another ritual is to cook in advance in order to prevent all kind of mess in my kitchen.




Ouvi dizer que os rituais apaziguam e acredito que sim. Dão-nos uma reconfortante sensação  de segurança. 

Um dos que prezo e cultivo é  o café  a meio da manhã,  com jornais e iPad.
No caso, e contra os meus rituais - que transgredir tem também  o seu encanto - rabisco este texto, na mesa da esplanada e não no sossego da minha casa, ilustrado com imagens, para mais tarde publicar.

Estou no Norte Shopping que, durante a manhã  é um paraíso  de tranquilidade.
É só esperar pela hora do almoço  e tudo se transforma - são  hordas de esfomeados invadindo a zona de fast food, onde se come depressa e barato.




Só numa urgência é que aqui venho à tarde, porque não gosto nem me entendo no meio da confusão.




Agora, é assim ...

... todo o espaço para mim!

Tirei estas fotografias usando o iPad e a qualidade é surpreendente!
Não tarda que as clássicas máquinas fotográficas sejam anacrónicas.

Sabe-me bem esta pausa em que recarrego baterias. Depois do dia de ontem, cheio de afazeres,adoro a ausência de urgência - fiz, portanto, muito bem em adiantar o almoço para hoje!


Já em casa, almoço servido e comido, cabe-me registar que correu muito bem e que todos os pratos estavam perfeitos, a começar pela Quiche de Espargos verdes, continuando com as Bochechas de porco estufadas em vinho tinto e terminando com o Bolo coberto por curd de limão , seguido de morangos ao natural - bem sei que deveria ter fotografado, mas agora é demasiado tarde!
Fico feliz quando recebo sem sobressalto familiares e amigos.
Tenho como hábito adiantar os pratos antecipadamente para que, no dia da refeição, esteja tranquila e repousada. Funciona muito melhor do que recorrer a correrias de última hora.

E se ontem me cansei, hoje estou em pleno gozo de férias - o próprio jantar está assegurado com as sobras do almoço - não é fantástico?

Parece, pois, que a tal máxima de "não adiar", funciona mesmo!

E vocês, têm também rituais?
E gostam de, como eu, cozinhar antecipadamente?

Contem-me tudo!
Ensinem-me truques!
Partilhem dicas!

Beijo
Nina





quarta-feira, 18 de maio de 2016

Tão cansada!

Hoje, agora, fim da tarde, sinto-me tão cansada!
Foi um dia cheio de movimento, de afazeres e só agora consegui sentar-me - e se há algo que me cansa é estar em pé!

Comecei por, logo de manhã, fazer uma caminhada no Parque da Cidade, um local maravilhoso, mas que, para mim, não se compara ao passeio à beira mar onde, efetivamente, desligo do mundo e relaxo.
Só que hoje, a nortada era insuportavelmente gelada o que obrigou a recorrer ao plano B.
Parece que finalmente o tempo mudou e, parando a chuva, as andanças ao ar livre tornam-se possíveis.

Depois, regresso a casa e preparação do almoço que, sendo só para dois, é coisa simples.

A seguir nova saída - banco, farmácia e supermercado - o que levou cerca de 1 hora.

Regressando a casa, meti-me na cozinha, e aí é que a permanência em pé se faz sentir. Foram 2 horas às voltas das panelas, preparando o jantar de hoje - que dará para duas refeições - e o almoço de amanhã que, com sorte, corresponderá também a pelo menos duas refeições.

Para o jantar de hoje preparei jardineira, coisa simples e bastante saborosa.
Já para o almoço de amanhã, em que recebo um convidado, fiz uma quiche de espargos verdes, bochechas de porco com vinho tinto e um bolo de limão coberto com curd.

Dito assim nem parece grande tarefa, mas, - garanto - foi!
Estou mesmo cansada. Mas feliz!

Aprendi - depois de uma fase muito dolorosa na minha vida - que a dor é uma entidade sempre à espreita e que, quando menos se espera ataca. Aliás, li algures, que essa (chamemos-lhe) divindade, faz questão de atacar de surpresa, quando menos se espera e que o fator surpresa a potencializa de modo a que nos derrube como se de um murro na cara se tratasse.
Não estou a entrar no campo confessional (que considero de extremo mau gosto) - estou apenas constatando um facto para mim é real.
Por isso aprendi ( com a pessoa mais improvável, que , para o caso, não quero citar, mas que se me ler saberá que falo dela, saberá também de toda a minha imensa gratidão). aprendi - dizia- que cada dia terminado há que fazer um balanço, uma avaliação, para depois, reconhecida, agradecer muito, muito, o dia bom que nos foi permitido viver.
Feitas as contas, verifica-se facilmente que os "bons" superam os "horríveis" o que, em última análise, concluímos que a vida é um sítio bonito.

Já agira deixo esta prenda:
- Façam, diariamente a avaliação do dia.
A mim fez-me tão bem!

Beijo
Nina