terça-feira, 1 de setembro de 2015

Comidinha boa


Sou fiel aos meus sítios, aos meus lugares, aos meus restaurantes e, quando me instalo na zona de Tavira, tenho registadas meia dúzia de mesas.
Janto. Que o almoço é leve, comido na praia, mais lanche que almoço. Portanto, janto. Bem!

Um desses lugares / sítios / restaurantes / mesas foi o eleito ontem à noite.
Qual?
Não digo! Não me apetece fazer publicidade gratuita.
- Por quê?
- Porque não basta servir bem para ter direito ao rótulo de bom restaurante!
Há umas coisinhas mais que contam, que contam muito, que determinam a classificação.

Este sítio / lugar / restaurante / mesa é sobejamente conhecido - a cozinha é excelente e muito criativa.
Por isso, tem uma afluência constante e, ou se reserva mesa antecipadamente, ou uma enorme fila nos espera.
Ora essa última hipótese não me serve! Recuso-me a esperar, esperando que os comensais sentados terminem.
Estou no meu direito!
Por isso, telefono e reservo antecipadamente.
Telefonei!
Que não, que não faziam reservas, que era por ordem de chegada!
-Como? Não fazem reservas?
- Reservas fazemos. De algumas mesas ( de 40 lugares, soube mais tarde). Não de todas. Até 5 de Setembro as reservas estão preenchidas.
Por ordem de chegada! Por essa ordem!


Quis testar e apareci às 19:00 h.

- Tem mesa para dois, sem reserva?
- Sim! Esta! - ouviram os meus incrédulos ouvidos.

Lá me sentei, continuando a considerar bizarro o procedimento.

Enquanto aguardava ser atendida, vi entrar uma senhora que pretendia jantar e reclamou por não ter conseguido reserva, vendo mesas vazias ostentando o dístico "RESERVADO"!

Até aí, nada a dizer!
Porém, rapidamente a conversa subiu muito desagradavelmente de tom e a senhora foi praticamente expulsa por uma proprietária enfurecida.
Que feio! Que coisa desagradável!

E lá volto ao mesmo - não basta que a comida seja boa ( ou excelente, como é o caso ...) para que o restaurante também o seja.
Diria que, mais importante que a comida é, sem a menor dúvida, o chá que se tomou ou deveria ter tomado em criança!

E mais não digo.


O jantar, em si, foi muito, muito bom!



Com um vinho branco gelado ...

... que acompanhou na perfeição ...

... filetes de peixe galo acompanhado por açorda de ameijoas  e filetes de de bacalhau ...


... com risoto de tomate.

À sobremesa, comi a mais deliciosa Mousse de Amêndoas com fios de ovos, que alguma vez já provei!

Pena o episodiozinho que relatei!
É que não havia necessidade ...
Pois não?

Beijo
Nina

segunda-feira, 31 de agosto de 2015

Algarve ... outra vez!


Se calhar, a última vez este ano. Se calhar ...que até pode dar-se o (a)caso de os astros determinarem outra descida ao sul do sul, o meu amado sul, o meu paraíso privado onde vivo as sempre melhores férias de praia da minha vida - sempre melhores que as anteriores. Sempre!
Repito, se os astros determinarem ... tanto mais que (os astros), depois da super lua, ganharam um protagonismo único ...
O paraíso é privado sim, porque assim o sinto. Desconfio que as dezenas de pessoas que me rodeiam o sentem da mesma forma.
Que sei eu?
Sei que cheguei sem achar o céu azul sem igual, o
céu azul de sempre.

Estava baço, desmaiado, embora quente e, da janela do quarto, fotografei a alegria imperturbável dos adoradores do sol.


Era fim da tarde.
Foi ontem!

Menos vereaneantes, que Setembro està à porta.

Na água, muitos, o que prova que frio não está.

Outros, ocupadíssimos, a não fazer nada, uma das mais deliciosas das ocupações


Esta a melhor despedida das férias!

E é com uma pontinha de inveja que penso nos abençoados que aqui vivem o ano inteiro.

Ainda me mudo para o Algarve!
Mudo, mudo!

Beijo
Nina

domingo, 30 de agosto de 2015

Super Lua!



Ocorreu ontem!
Teremos ainda mais duas , este ano.

Esperei com expectativa, mas, infelizmente o céu encontrva-se muito encoberto com densas nuvens, o que sabotou o espetáculo.

Ainda assim, a Super Lua foi surpreendente.

Ainda a noite não tinha caído.
 Estávamos naquela hora mágica do crepúsculo, já sem sol, mas ainda sem escuridão.
Foi então que ela apareceu, linda, gloriosa!


Sempre entre nuvens ...

... mais sol do que lua!

Depois, já noite cerrada ...


... reinou assim!
Pura Magia!

Viram?
Maravilharam-se?

Se não, este ano ainda nos restam duas oportunidades.

Beijo
Nina

sexta-feira, 28 de agosto de 2015

Vá p'ra fora cá dentro!

Obedeci ao slogan e hoje saí, por aí!
A ideia inicial era rumar ao Gerês, concretamente ao Passadiço. Verifiquei coordenadas, calcei sapatilhas, abasteci-me com garrafas de água e lá fui.

O percurso passa obrigatoriamente por Braga que, a 50 Km do Porto, não visito há anos - uma grande vergonha.

Hoje remediei a lacuna. Parei, tomei café, passeei e maravilhei-me.
Braga está linda!
Uma cidade encantadora com o seu centro inteiramente reservado a peões, com ruelas floridas, praças modernas, jardins coloridos, cantos e recantos a explorar.


Uma das entradas da principal rua comercial.

A Catedral.

Edifícios históricos perfeitamente preservados.

A azáfama de uma das ruas de compras.

O cuidado ...

... a beleza dos jardins.

As fontes.

A avenida principal.

A água ...

... sempre ...

... sempre presente!

Senti muito orgulho!
Senti-me numa cidade cuidada, numa cidade amada.
Senti que, por essa Europa fora,  cidades com esta dimensão, não oferecem mais.
Braga é linda.
Braga está de parabéns.
Nós também.

O que seria uma paragem técnica de alguns minutos transformou-se numa estadia de mais de uma hora e o passeio a pé previsto para antes do almoço, no Gerês, atrasou-se porque a fome apertava.

No centro da vila do Gerês, almocei!




Num local simples - O Pimpão, de seu nome!
Almocei lindamente, uma carne barrosã grelhada, estupenda!

Terminado o repasto, com calor e com preguiça, fiz-me ao caminho, que a Serra do Gerês é uma verdadeira caixinha de surpresas.
Levava roteiro, sim, mas não o cumpri o que justifica uma outra e outra e outra ida àquele paraíso.


Comecei pela cascata do rio Arado que obrigou a uma subida íngreme pela encosta de um monte.



Valeu muito a pena!


Como esta, muitas, muitas outras se multiplicam, desaguando em cursos de água cristalinos.


Como este ...

... e este!

Porém, o que de mais espetacular me foi dado ver foi ...
 


A Ponte da Misarela ...

... um local mágico, belo e medonho, ao mesmo tempo ...

.. carregado de misticismo.
Lugar sagrado e lugar demoníaco ...

... assim determinou a crendice popular!
Fiquei absolutamente maravilhada, quase fascinada.
Poucas paisagens me afetaram desta forma.
Por isso, recomendo.
Mesmo!

É já noite adentro que escrevo este texto. Cansada. Muito cansada. Mas com a certeza de que fui abençoada com um dia perfeito.

Beijo
Nina

quinta-feira, 27 de agosto de 2015

Eu acho ...





Costura, Dedal, Pinos




Eu acho que saber costurar é tão importante como saber cozinhar!
Acho!
Mas ...
Agora podemos comprar tudo feito!
Ok!
Não compensa comprar tecido e mandar fazer!
OK!

Mas vejam o outro lado do problema:
Comprar feito e comprar barato significa comprar baixa qualidade.
OK!
A moda muda tão rapidamente que não vale a pena investir em qualidade.
OK!
Para ter peças de qualidade e muito bem feitas é preciso abrir os cordões à bolsa.
OK!

Então, sugiro:
- Comprar pouco com muita, mas mesmo muita,  qualidade. Serão peças intemporais!
Para as atualizar, lá estão as Zaras, com ofertas tendência que rejuvenescem o maior dos clássicos.

Onde entra, então, a capacidade para costurar?
No quotidiano!
Nos arranjos, na confeção de peças simples, de peças "conforto", daquelas que permitem estar em casa muito bem vestidas e, ao mesmo tempo, muito confortáveis.
Porque, o preço a pagar por arranjos é e tem que ser alto. Deve ser contabilizado à hora e, qualquer coisinha insignificante leva, à vontade, uma tarde para ficar concluída.

Daí que - insisto - costurar é tão importante/ imprescindível como cozinhar.

Acho que vou escrever ao ministro da educação. Vou sugerir-lhe a inclusão da disciplina COSTURA no curriculum escolar.
A sério! Acho uma mais valia ainda não contabilizada.
E tenho imensa pena que não me tenha sido ensinada essa arte. Só agora começo a aventurar-me. E, asseguro, é absolutamente gratificante/viciante!

Quem concorda comigo, levante a mão!

Beijo
Nina



quarta-feira, 26 de agosto de 2015

A verdadeira costureira!


-Eu!
Muito prazer!

Apresentada, esclareço a razão desta introdução, para que não pensem:
- Olha, lá vem ela!
Já a formiga tem catarro!

Explico:

Depois de muito pensar, muito congeminar, conclui que seria capaz de confeccionar umas calças de pijama. E fui. E por isso me sinto costureira e - o que é mais importante - sinto-me uma costureira feliz.

Não tenho a menor pretensão de fazer vestidos, casacos, saias, ou o que quer que seja que implique exposição pública. É que tenho claríssima noção das minhas enormes limitações. Mas, umas coisinhas simples para trazer por casa, uma roupinha para dormir, isso, gostava muito de ser capaz.

Se calhar poderia comprar feito por preço baixo, mas ... não é a mesma coisa.

Então, consultei uma montanha de BURDAS até encontrar um modelo de calças de grau dificuldade zero, ou quase zero!

Copiei os moldes, risquei-os num retalhinho que por aí andava, segui os passos da costura e voilá!



As minhas primeiras calças de pijama!

Só provei, depois de cosidas, para medir o elástico que coloquei no cós!


Depois, para dar uma gracinha feminina ...

... bordado inglês junto à bainha.

 O tecido é fininho, fresco e muito confortável!


Todo às florzinhas ... pareço um canteiro!


Vou combinar com t-shirts ou tops brancos, amarelos ou azul turqueza, que uma senhora deve preservar a elegância em todas as situações ... não acham?


Dizer que estou feliz com a minha conquista, é pouco!

Estou felicíssima e muito orgulhosa.

Guardei os moldes! Tenho a certeza que vêm por aí muitas, muitas calças de pijama!

Beijo
Nina

terça-feira, 25 de agosto de 2015

Compras









Entre outras inúmeras vantagens, viajar de carro tem uma acrescida - o peso da bagagem não conta, ao contrário das viagens de avião, em que é relmente importante estar atento ao  peso das malas

Por isso, nas chamadas Road Trip, para minha imensa alegria,  a liberdade para comprar é quase total.
E, desta vez, não fugiu à regra!
Entre outras inúmeras vantagens, viajar de carro tem uma acrescida - o peso da bagagem não conta, ao contrário das viagens de avião, em que é relmente importante estar atento ao  peso das malas
Por isso, nas chamadas Road Trip, para minha imensa alegria,  a liberdade para comprar é quase total.
E, desta vez, não fugiu à regra!
Comprei! Não comprei muito, mas comprei o que me apeteceu.
Comprei, principalmente, na Alemanha!
Roupa, não!
Que não me apaixona o designe. Mas comprei utilidades para casa. Principalmente na loja Tschibo, minha paixão desde sempre, desde a minha primeira ida à Alemanha.
Organizei os armários com cabides multifunções, a cozinha, com frigideiras hiper eficientes no que ao antiaderente diz respeito, roupões de banho maravilhosamente brancos e maravilhosamente fofos, enfim, compras maravilhosamente irresistíveis.
- E roupa, roupinha, não compraste? - perguntarão vocês, incrédulas e mortas de curiosidade.
- É claro que sim! Comprei, pouca, mas boa, daquela categoria que não tem defeito, que nos enche as medidas! Em Andorra, o melhor local do mundo para esse tipo de compras. Para o Outono estou servida!
De lá vieram também perfumes e cosméticos e frascos e frasquinhos de mezinhas que garantem a eterna juventude e que - nunca se sabe ... - até pode ser que funcionem.

Vou fotografar e, depois, prometo mostrar.

Beijo
Nina